domingo, julho 30, 2006

Fia-te nessa, fia

Cavaco Silva confia nos jovens portugueses e acha que eles não se vão deixar seduzir pela extrema-direita (ver notícia aqui). Porquê não se sabe muito bem, mas o Presidente da República confia e, a julgar pelo caractér messianico de que a sua candidatura se cobriu, certamente que muitos portugueses também confiam pelo simples motivo de que Cavaco diz que sim. Num país de bairros problemáticos nas grandes cidades e criminalidade juvenil que alastra para as escolas das periferias, onde é demasiado fácil associar roubos e agressões a toda uma etnia, comunidade ou simples cor da pele, ainda há quem pense que basta confiar. Nem mesmo o facto de a extrema-direita estar a recrutar membros precisamente em escolas parece fazer com que o Presidente da República pense duas vezes antes de confiar, ou não fosse ele o homem que nunca se engana e raramente tem dúvidas. Ou talvez a confiança de Cavaco não deva espantar, já que ele nomeou para o seu gabinete membros da direita reacionária para quem a nova lei da nacionalidade foi longe demais. Com companhias dessas, porque é que ele havia de achar motivo de receio nas acções da Frente Nacional e afins?

13 comentários:

Max @ Devaneios Desintéricos disse...

Nem mais, amigo Heliocoptero. Eu também me fiei na ideia que os portugueses teriam a clarividência de não o mandar para Belém, e olha no que deu :))))

Caso para dizer: fia-te na virgem, e não corras..:)

Golfinho disse...

Foi o post mais lúcido que li por aqui sobre esta matéria.

Parabéns!

Joey Porto disse...

Espanta-me, realmente, que Cavaco Silva - um homem tão vivido e que ocupa o lugar que ocupa - consiga ser tão ingénuo ao ponto de dizer tal… Bem, ou ele é mesmo ingénuo, ou não possui qualquer capacidade de observação sociológica,… ou terá dito isso de forma a despachar rapidamente qualquer jornalista mais chato que lhe terá pedido para comentar a notícia do Expresso “Jovens recrutados para a extrema-direita” numa altura em que ele estava mortinho para ir à casa de banho dar a sua mijinha… ou numa altura em que estava mais a pensar que ia ter que manter, no resto do dia, um sorriso cínico enquanto discutia o estado da nação com o clã de José Sócrates.
O que é certo é que não interessa o que esteve por detrás deste comentário menos convincente e menos argumentativo de Cavaco Silva. O que também é certo é que entramos numa fase em que a expressão do “eu” está numa etapa de ascensão. Creio que vivemos num período em que a liberdade de expressão atinge valores históricos nunca antes alcançados…um estado das coisas que cria condições (de “temperatura”, de “humidade” e de “pressão”) para a proliferação de ideias, de teorias e dos teoremas mais aplaudidos aos mais incríveis e dos mais credíveis aos mais bizarros… enfim, tendo também em que conta que o teorema mais bizarro para mim pode não o ser para ti… Nunca há verdades totais…Tal permite que pessoas de ideias frescas (classicamente chamadas de jovens… embora esta relação não seja assim tão linear…) se associem às teorias de outros e ainda acrescentem um ponto. Numa altura em que se assiste ao “boom” da Internet, o fácil acesso à informação facilita esta associação às ideias de outros. E, se há condições, naturalmente que a ideologia extrema-direita terá a sua fatia de crescimento…Primeiro porque mesmo que vivêssemos num país sem problemas sociais, haveria sempre elementos humanos dispostos a aderirem a uma ideologia diferente da maioria das pessoas (nem que seja para se considerarem diferentes…). Segundo, porque vivemos realmente num país com problemas sociais, infelizmente crescentes, da criminalidade, do desemprego… enfim, há uma tensão social, um constante stress social, uma perturbação ansiosa em massa… que acabará por “cozer” muitas mentes…e que as fará acreditar que a extrema-direita fornecerá o perfeito ansiolitico/calmante para tal perturbação. Não vou estar aqui a explanar o tema “como um indivíduo assaltado por um indivíduo de raça negra desenvolve mecanismos de repulsa por elementos de raça negra” porque não é objectivo deste comment (mas para tal, já agora, leiam qualquer coisa sobre “stress pós-traumático – mecanismos de defesa e de resistência”). No entanto, qualquer cidadão das grandes cidades que não seja um incauto sabe das histórias de vida do vizinho e apercebe-se da sua alteração de estado de humor aquando da abordagem do assunto “comunidade negra”.
Por outro lado, como em tudo na vida, há sempre um contra-balanço. Também é de pensar que o maior acesso à informação e o surgimento de um movimento de extrema-direita estimularão muitas cabeças e apelarão à sua inclinação para o lado oposto. A música hip-pop e o rap, estilos musicais classicamente e historicamente de expressão da comunidade negra em países em que são minoria, adquirem níveis máximos de popularidade em Portugal e aproximam o jovem português da comunidade negra que aqui reside. Tem havido uma crescente adesão de jovens de todas as raças a concertos de intérpretes e grupos que se inserem nestes géneros musicais. Tem havido uma mistura de sangues (que bonito!....). Isto só para dar um exemplo… Entretanto, quantas crianças crescem hoje nas nossas escolas primárias e têm como “melhor amigo de infância” o rapazito que se assemelha com o jogador Miguel da Selecção Nacional de Futebol, só que em ponto pequeno?... Estas crianças mais dificilmente despertarão para um mundo de extrema-direita no seu estado adulto, sobretudo quando lhe tentarem encharcar com ideologia racista aquelas cabeças bloqueadas pelas suaves recordações dos momentos de infância com o pequenito “Miguel”. Eu sei que nem tudo é branco ou preto (…esta vinha mesmo a calhar!....) e há sempre excepções e tal…mas há que concordar que estas crianças estarão menos vulneráveis a serem engolidas por ideologia segregadora.
Enfim… (uff…que tenho que acabar este texto…) …. creio que a extrema-direita terá o seu desenvolvimento nos próximos anos….mas também acredito que haverá movimentos bem activos que reagirão em sentido contrário (muitos deles já existem!) e que abafarão a expressão da extrema-direita….e acredito, sinceramente, com um saldo bem positivo! Viveremos numa espécie de “pizza 4 estações social”… em que fracções da população se distribuem por cada uma das 4 partes. Claro que isto aumentará a tal tensão social de que falei acima…uma vez que haverá facções e choques ideológicos entre nós… No entanto, muitos encontrarão a harmonia no seio daqueles que acreditam no mesmo… Haverá uma maior tensão social… mas haverá menor tensão individual.
E pronto….é assim…que podemos fazer? Com o acesso tão livre à informação e com a liberdade de expressão, isto seria previsível… … Antes ideologicamente activos do que ignorantes.

Sano disse...

A extrema direita é a resposta aos problemas do país. Temos de parar a imigraçao ou o nosso pais deixa de ser o que é.

Como tu disses-te ha varios problemas nos bairros sociais (de imigrantes africanos). A esmagadora maioria dos imigrantes africanos so faz merda quando vem para paises desenvolvidos, veja-se França e outros paises da Europa e mesmo os EUA.

Se queremos continuar a ter o paraiso Europeu e nao queremos que a Europa se transforme num inferno com os mesmos problemas de Africa, temos de os mandar embora. Chega de aumento de criminalidade, roubos, violações, etc.
Por exemplo na Suécia, sabias que as violaçoes aumentaram 6 vezes nos ultimos anos? Sabias que 95% das violaçoes na Suecia é feita por imigrantes?
Enfim, africanos, muçulmanos e mesmo os asiaticos sao um grande problema.

E mesmo que nao sejam, queremos que o nosso país se torne um país mulato asiatico e que perca a sua identidade etnica? Será que esta errado uma naçao preservar os seus povos nativos? sera que so esta certo a misceginaçao e defender o desaparecimento de povos nativos?
Sera que Portugal se deve descaracterizar e ficar no futuro um pais miscigenado como o Brasileiro, um pais mulato muçulmano asiatico?

Ah e ja agora lembro-te dos problemas franceses com a imigraçao. França que costumava ser um pais calmissimo sem problemas, agora é um pais caótico, cheio de problemas sociais, roubos, violações, as pessoas vivem constantemente com medo de muçulmanos e negros.
Depois por exemplo estamos a ver a selecção Francesa a jogar e nem vemos franceses, so vemos africanos. Se é selecçao francesa devia ter franceses nao africanos.

Enfim mas ja suponho que vas dizer que o que esta certo é a mistura, acolher os imigrantes. A culpa nao é deles, é nossa, é da crise social, é por nao lhes darmos emprego, é por serem pobres.
Suponho que vas dizer que nao devemos preservar as etnias dos povos europeus, o que esta certo é o seu desaparecimento e o que esta certo é que a Europa se torne um segundo Brasil miscigenado.
E suponho que me vas acusar de racista, xenofobo e nazi.
Enfim parece que esta errado defender a preservação dos povos nativos europeus. O que esta certo é defender o seu desaparecimento.
Viva a mistura e o desaparecimento dos povos nativos europeus.

Ja agora nao estou a dizer que defendo o PNR ou frente nacional pois a maioria dessa gente é muito burrinha e muito retrogada no pensamento. E mesmo as ideias do PNR de aborto e outras sao um autentico disparate.
No entanto quanto a imigraçao tem razao e penso que devemos defender a preservaçao das etnias europeias, afinal de contas é uma parte da natureza e a natureza é para se preservar.
Sim é verdade que hoje dizem que é errado preservar essa parte da natureza, mas por exemplo ha uns bons anos atrás tambem diziam que era errado preservar a maior parte dos animais e deixavam-nos extinguir e ninguem se preocupava, apenas uns 2 ou 3 biologos que eram apelidados de malucos por se preocuparem e quererem evitar a preservaçao de um bicho que nao interessa a ninguem. É de espantar mas é mesmo verdade, ha uns anos atras era assim. Por vezes o politicamente correcto vai mudando.

Heliocoptero disse...

Eu até podia ter simplesmente apagado o comentário por defender premissas de extrema-direita, mas de modo a esclarecer umas coisas talvez seja bom dar uma resposta.

Se a maioria dos imigrantes africantes "só faz merda" (sic), isso não se deve certamente ao facto de serem africanos. Não lhes está nos genes serem assim, nem não se trata de nenhuma disfunção anatómica. Se o fazem, por algum motivo é e, demasiadas vezes, a raíz do problema é social, não da cor da pele.

Se África tem problemas, também não se deve ao facto de os seus habitantes serem africanos. Deve-se, isso sim, à natureza de regimes politicos, à corrupção generalizada, exploração comercial desses mesmos países, entre outros factores.

Se 95% das violações na Suécia são feitas por imigrantes, também não é pelo facto de eles serem imigrantes: não é isso que lhes confere automaticamente o estatuto de violadores. Aliás, eu estive na Suécia durante um ano e histórias de violadores havia-as de todas as raças e nacionalidades, incluindo a sueca.

Quanto a manutenção de identidades étnicas, Portugal é há milhares de anos um local de cruzamento de diferentes culturas e etnias. É assim desde que os celtas se cruzaram com os iberios, os fenicios se instalaram na Península, os romanos conquistaram-na, os germanos para cá vieram e os mouros por cá ficaram. Eu concordaria, quando muito, que a imigração não deve ser um processo de portas abertas por motivos práticos de integração e assimilação. Já não concordo que se nega um lugar a grupos de pessoas pelo simples motivo de que têm uma cor de pele diferente ou os olhos mais em bico.

Já agora, francês denomina uma nacionalidade, não uma etnia, logo o argumento de que a selecção francesa devia ser para franceses e não africanos é pura xenofobia.

E não te esqueças de exigir o repatriamento de todos os europeus ou descendentes de europeus que vivem no Brasil, em Angola, na África do Sul, no Canadá, na Austrália e na Nova Zelândia: é que a população nativa desses países não é europeia :)

Max @ Devaneios Desintéricos disse...

Ora bem, heliocoptero. Nem mais...

propranolol disse...

O comentário de sano é...surpreendente, oxalá a resposta do anfitrião tambem o seja para sano. Sobre este assunto está tudo dito. Quanto a Sua Excelência o Senhor Presidente da República Portuguesa é que nunca estará tudo dito, porque o homenzinho nunca deixará de surpreender cidadãos incautos. Neste caso, em que ele "não acredita que os jóvens portugueses se deixem seduzir pela extrema-direita", é conveniente lembrar que o Senhor Professor disse, diz e dirá sempre, fez, faz e fará sempre, o que quer que seja que lhe garanta um honorável segundo mandato. Essa é a sua maior obsessão (ele tem muitas, e fobias também, porque ambas andam a par nas estruturas psíquicas do tipo da dele). E ele sabe gerir a sua imagem pública, ó se sabe! Vamos caindo que nem patinhos.

Rita disse...

Não te vais importar que me estale o verniz..têm que aparecer sempre estes idiotas cobardolas com comentários xenófobos e que curiosamente nunca têm link nem email nem nada.. da mesma maneira há uns anos veio a público que Portugal é dos países mais racistas da UE, mas nunca se ouve nada em público, o sr. zé povinho tem cagufa demais para dizer as suas opiniões idiotas e dar a cara por elas, será porque lá no fundo tem consciência do que elas são? (i.e. realmente idiotas)
Para mim o racismo/xenofobia em Portugal vem do mesmo sítio que a maior parte das outras atitudes negativas deste povo, a educação virada para a dor de cotovelo e para a mediocridade. Não me parece que seja uma xenofobia verdadeira. Aliás, o tuga xenófobo coçador de barriga (como o amigo sano ali de cima) precisa cá dos imigrantes, porque é fino de mais para trabalhar em obras, cafés e supermercados. Há tanta gente a queixar-se, a taxa de desemprego não pára de subir, mas os brasileiros vêm para cá certinhos para arranjar trabalho, não é estranho? A arrogãncia paga-se caro... e neste caso vai-se pagando em ordenados aos estrangeiros que têm humildade suficiente, já que aqui são todos bons de mais para sujar as mãos a construir o país.

Rita disse...

Caneco estive aqui a escrever um belo de um comentário e o blogger engoliu-o..
Bem, estava eu a dizer que o tuga xenófobo (como o exemplar sano ali de cima) devia era tar caladinho porque precisa do imigrante, já que é fino de mais para sujar as mãos a construir o seu país. Vejam bem: há tanto desemprego mas todos os brasileiros/moldavos/etc com o mínimo de espírito de desenrasque vêm para cá e arranjam um empregozito para sustentar a família.. mas naoooo o português é bom de mais para trabalhar em cafés e nas obras. A arrogãncia paga-se caro, e neste caso vai-se pagar em ordenados a voar fronteira fora, e sabes o que eu digo? É bem feita! O rectãngulozinho à beira mar plantado não vai ter, daqui a uns anos, capacidade para ser economicamente independente, dizia o srç. Belmiro de Azevedo na TSF há uns tempos. E quanto às etnias, as raças e mesmo as espécies são entidades voláteis que desde sempre se fundiram e misturaram umas nas outras, o ser humano é que tem uma vida curta de mais para se aperceber disso.
Têm cá uma piada estes betos xenófobos de direita, ainda por cima são sempre muito bem falantes mas não têm links nem emails nem nada, pergunto-me se serão tão parcos de tomates como de cérebro... *suspiro*..e beijinho p ti helito**

pedro disse...

Mas alguém acredita no que aquele senhor diz? Bom, mais de 50 por cento o fizeram... Daqui a cinco anos vão ter hipótese de se redimir eheheh

Abraço gd,

p

Rui Maio disse...

A França "costumava ser um pais calmissimo sem problemas"? Quando? Durante o massacre da noite de São Bartolomeu? Durante a Revolução Francesa? Durante o Maio de 68? Durante as manifestações contra o CPE?
Exijo que o meu curso (Português/Francês) me seja ministrado desde o início para que todos os professores me possam explicar que a França era um país calmíssimo!
Sano: ao menos digna-te a prosseguir com a discussão. Ou és daqueles (como o Cavaco) que não gostam disso?

Heliocoptero disse...

Rui,

O Sano prosseguiu de facto com a discussão, mas os comentários dele foram apagados por advogarem teorias de superioridade racial. Não tenho intenções de permitir que o meu blogue se converta num local de difusão de ideologias de extrema-direita, motivo pelo qual, aliás, passei a moderar isto.

P.S. - Se preferires que publique a outra versão do teu comentário, diz-me ;)

Rui Maio disse...

Helio: fizeste tu muito bem!
Quanto ao outro comentário só o postei por pensar que não o tinha conseguido fazer à primeira! Agora já sei que eras tu a fazer discriminação positiva! :D