quarta-feira, junho 20, 2007

A Europa de Durão

Na senda do Tratado Europeu que se quer Constituição, mas que antes de o ser já é só "mini" e foge-se com ele dos referendos como numa fuga que envolva rabos e seringas, eis que o Barroso, querendo talvez fazer jus ao seu nome de Durão, ameaçou a Polónia com a perda de apoios comunitários caso o governo de Varsóvia continue a bloquear a gloriosa marcha em frente do dito Tratado. Desconheço se seria legal ou sequer legitímo fazê-lo, mas das palavras da Comissão Europeia não se deixa de ficar com a impressão de que os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos comunitários valem menos do que o funcionamento das instituições europeias, como se elas fossem um fim em si mesmo. Ou que a Polónia tem rédea mais ou menos comprida para se comportar como bem entende, desde que não interfira no trabalho conjunto de todos os membros. Ou, ainda, que a possibilidade de perda de apoios comunitários não se aplica à violação de príncipios fundacionais da União Europeia como o respeito pelos Direitos Humanos.

De que outro modo se deve entender o facto de as perseguições políticas, religiosas, homofóbicas e misógenas do governo polaco nunca terem merecido semelhante ameaça da parte de Durão Barroso?

1 comentário:

Rita disse...

Só pelas perseguições pessoais que o governo polaco tem feito, já devia ter sido ameaçado com a perda de direitos comunitários há muito tempo. Ainda se refugiam no papel de coitadinhos que acabaram de sair há pouco tempo de trás da cortina de ferro e da ditadura comunista, mas passaram para a ponta oposta do fascismo da pior espécie. Sinceramente, a sua política em relação a homossexuais, aos antigos trabalhadores do regime comunista etc não é muito diferente de coisas que se passam na Turquia, e se essa por tais razões não entra ...esta pelas mesmas devia sair...