terça-feira, novembro 21, 2006

Baltic Bible Belt

Apresento-vos a bandeira da Letónia, um dos três países bálticos e membro da União Europeia desde Maio de 2004. O branco e o vermelho representam respectivamente a liberdade dos letões e o sangue derramado em nome da mesma (Cf), o que é uma boa representação vexológica de uma república justa e equitativa, fosse a Letónia um exemplo disso mesmo. Não o é, porque parece que por aquelas bandas liberdade - tal como respeito, direitos e igualdade - é uma coisa relativa à orientação sexual dos cidadãos.

Depois de em Junho deste ano o parlamento letão ter-se recusado a incluir a homossexualidade na legislação contra a discriminação laboral (ver aqui) e de, pouco antes disso, ter alterado a Constituição de modo a proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo, de Riga chega agora mais uma notícia que volta a levantar a questão de até onde pugna a União Europeia pelos direitos dos seus cidadãos: Janis Smits, político que faz apágio da sua homofobia militante, foi nomeado pelo parlamento letão para a presidência do seu comité dos Direitos Humanos (ver aqui).

Não, para os ilustres deputados da Letónia não parece haver qualquer incompatibilidade entre o cargo e referências aos homossexuais como degenerados ou apelos ao fim de legislação anti-discriminação que os proteja porque, enfim, todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos a menos que sejam gays, já lá diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos... Da parte dos colegas de partido de Janis Smits, vieram já as palavras "reconfortantes" de que ele jurou proteger todos os sectores da sociedade e que vai basear as suas decisões não só na lei da Letónia, mas também na Bíblia, enquanto o Parlamento Europeu, associações LGBT e a Amnistia Internacional protestam, sendo que esta última organização vai levantar a questão ao nosso foragido Durão Barroso, que tem encontro marcado com o primeiro-ministro letão esta sexta. Resta saber se ele vai fazer valer os princípios comunitários ou se o presidente da Comissão Europeia vai demonstrar a frouxidão a que já nos habitou, ao mesmo tempo que a Leste ganha forma um autêntico Bible Belt europeu que não se prevê que enfraqueça com a entrada da Roménia e da Bulgária na comunidade.

2 comentários:

Diogo_Moura disse...

E viva a democracia...

al cardoso disse...

Sao estes os novos paises "democraticos" da nossa Europa.

So me resta acrescentar com a sua licenca: "PORRA para esta democracia"